Ghee vegetal existe? Não é ghee de verdade e nem sempre é do bem

by Daiane Bortolon

ghee vegetal

Tenho recebido muitas perguntas sobre o tal do “ghee vegetal”, então decidi escrever este texto sobre o assunto. Informação liberta! E para escolher que alimento ou produto colocar na sua mesa é preciso primeiro conhecer as diferenças entre o ghee verdadeiro e o ghee vegetal. Vamos lá?

ghee não é uma gordura de origem vegetal – ele vem da manteiga da vaca. É um alimento ancestral utilizados pelo nossos antepassados a milhares de anos. Quando o Yoga chegou no ocidente junto com a Medicina Tradicional Ayurvédica passou a ser conhecido, estudado e consumido primeiro pelos Yogis e depois pela galera interessada em alimentação vegetariana e culinária saudável. Mas foram nos últimos cinco anos, que a manteiga ghee, acompanhada de dezenas de pesquisas na área da nutrição caiu nas graças dos nutricionistas, esportistas e simpatizantes das dietas “Paleo” e “Low Carb”. Graças a estudos lindos, acordamos e descobrimos que as “histórias da carochinha” contadas pela grande indústria alimentícia sobre gorduras saturadas – de origem vegetal ou animal, eram uma grande jogada de marketing para empurrar gordura hidrogenada junto com o fator trans goela abaixo da população mundial. Por aqui eu já adianto que esta onda de “ghee vegetal” está no pacote do oportunismo da nova onda do momento. Quer saber mais sobre este assunto? Nas referências deste texto você encontra alguns links de estudo sobre o perigo gordura trans.

Está bem, mas e o ghee vegetal?

Calma! Antes de começar a falar da composição do “ghee vegetal” quero dizer que ghee vegetal” não existe. Não, não existe! Assim como não existe carne vegetal nem leite de cereais, nem mel vegetal. Quem inventa estes nomes para aproveitar o mercado de consumo de produtos do bem deveria ser no mínimo mais criativo, não acha? O mais adequado seria chamar “ghee vegetal” de creme vegetal sabor manteiga. Este é o mercado desleal com o consumidor e não vou nem entrar na discussão sobre apropriação cultural, por isso te convido a um breve momento há 10 mil anos atrás, para as origens do ghee verdadeiro:

A palavra “ghee” é  hindú e sagrada. Vem do sânscrito:  गोघृत, go-ghṛta e tem muitos significados, entre eles: ouro líquido, néctar, elixir da vida, etc.  É ainda sinônimo de amrita, o néctar da imortalidade.

Nos Vedas, livros sagrados da cultura e sistema de medicina hindu, quando finalmente não se tem mais palavras para descrever o tamanho da sacralidade e auspiciosidade de algum Deus, situação ou qualidade divina, usa-se  a palavra ghee.  Detalhe: os vedas datam de pelo menos 5 mil anos em que foram escritos além de outros 5 mil anos anteriores passados pela tradição oral. Em 10 mil anos de tradição não existe uma única citação nos Vedas falando de “gordura de palma” quanto mais “ghee de palma”. O ghee é essencialmente obtido do leite de vacas, sagradas na Índia. 

Na Índia, misturar ghee de verdade e puro com outra gordura vegetal ou animal é um insulto e considerado crime, tem links falando sobre isso no final do artigo.

Agora, vamos entender melhor:

O “ghee vegetal” é gordura de palma com aromatizante “sabor manteiga” e urucum ou outro pigmento alimentício amarelinho. É um produto alimentício a base de palma. Eu chamo de produto alimentício pois não existe uso tradicional documentado sobre o uso da gordura de palma refinado na alimentação de povos ancestrais, somente do uso do dendê que é lindo, da cor do fogo, quase um raio de sol. A palma processada é mais usada para a fabricação de sabão pelos povos africanos, não para alimentação. A gordura de palma é óleo de dendê refinado, sabia?

E de onde vem a gordura de palma? 

A gordura de palma é um óleo obtido do fruto dendezeiro Elaeis guineenses. Primeiro é dendê e depois vira aquela gordura branca  chamada de “shortening” pela indústria. É inodora e sem sabor devido a um processo de refino por solventes, que pode ser de origem natural: realizada com ácido cítrico ou sintético/químico, feito com soda cáustica. Isto vai depender da procedência desta gordura e dos processos utilizados pela fábrica. Refinar = retirar= menos.

Mas a palma faz bem para a saúde? É um óleo do bem?

Sim e não. Eu explico. A gordura de palma, é uma gordura com ótima estabilidade oxidativa para cozinhar, por exemplo, assim como o ghee e o óleo de coco é rica em gorduras saturadas de cadeia curta e média, gorduras do bem sim! Sugiro que leia os artigos referenciados para aprofundar neste assunto (ver referencias 1.5, 1.6 e 1.7).  A gordura de palma tem uma composição rica em ácidos graxos essenciais, mas devido aos processos de refino acaba perdendo muito de seus micronutrientes. Quanto à composição, ela tenta se aproximar do óleo de coco e da manteiga ghee mas não consegue chegar lá com relação às vitaminas, ácidos conjugados entre outros micro nutrientes que estavam no dendê antes do refino. Você pode inclusive pesquisar a diferença entre o “red palm oil” e o “palm oil” e constatar os incríveis benefícios da palma não refinada ou dendê e entender essa grande diferença da gordura de palma branquinha e sem graça que não consegue nem ser ghee, nem ser dendê (2.2 e 2.3). O quadro abaixo é bem simples, não traz números mas já dá uma noção para esta comparação. Há também uma tabela completíssima da composição de ácidos graxos do ghee que fabricamos aqui.

SubstânciaManteiga GheeÓleo de palma
Ácido butíricoContémNão contém
Ácido Linoleico Conjugado CLAContémNão contém
Ácido LáuricoContémContém
Ácido MerísticoContémContém
Ácido PalmíticoContémContém
Ácido EsteáricoContémContém
Ácido Oleico (ômega 9)ContémContém
Ácido Linoleico (ômega 6)ContémContém
Ácido Linolênico (ômega 3)ContémContém
Vitaminas A, D, E e KContémTraços

E de onde vem a gordura de palma?

Agora nós vamos chegar no X, Y e Z da questão sobre o óleo de palma. Não é porque a palma é uma gordura do bem para o corpo que ela é do bem para o planeta, nossa casa, nossa sagrada mãe terra. Vamos ao fatos:

– 85% da gordura de palma produzida no mundo vem da Indonésia e da Malasia, em sua chocante maioria, fruto de trabalho escravo. Estima-se 3,5 milhões de trabalhadores sofrem abuso e violência nos campos da palma: homens, mulheres e crianças.

– 15% de toda biodiversidade do planeta estão nas matas da Indonésia entre animais e plantas e grande parte da população depende das matas para viver.

– Desde 1960 mais da metade das matas da Indonésia foram destruídas e queimadas para virar plantação de dendezeiros para obtenção de palma para indústria alimentícia. Os povos nativo/indígenas foram expulsos de suas terras e animais como tigres e orangotangos ficaram sem casa ou queimados vivos no processo.

– Atualmente, as plantações de dendezeiros já cobrem mais que 27 milhões de hectares em todo o mundo. Numa área do tamanho de toda a Nova Zelândia, as pessoas e os animais já tiveram que dar lugar aos “desertos verdes”.

No final deste texto, você encontra muitos links para vídeos feitos pelo Green Peace entre outras inciativas e páginas falando do grande problema mundial que é a produção de gordura de palma hoje.

  “Ghee vegetal” feito com gordura de palma sem certificação NÃO é Vegan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se para te avisarmos Avisaremos assim que o produto estiver pronto. Por favor, deixe seu melhor e-mail abaixo.
Open chat